2ND ENERGY AND WATER INNOVATION & TECHNOLOGY TRADE SHOW

25 → 26 SETEMBRO 2024 . EXPONOR . FEIRA INTERNACIONAL DO PORTO

2ND ENERGY AND WATER INNOVATION & TECHNOLOGY TRADE SHOW    25 → 26 SETEMBRO 2024 . EXPONOR . FEIRA INTERNACIONAL DO PORTO

Sergio Layunta

Responsável pela divisão solar da Salicru

"Há que acelerar os pagamentos do Next Generation, porque o custo é suportado pelo cliente ou pelo instalador”

É responsável pela divisão solar da SALICRU, fabricante de eletrónica de potência, há quase 60 anos. Coordena a equipa comercial e técnica do grupo de soluções solares com mais de 15 anos de experiência no setor fotovoltaico. Anteriormente, foi sócio-gerente e diretor técnico da Plan Solar, nas delegações de Barcelona e de Marrocos, e também diretor da Kauser Eco, com experiência prévia em gestão de projetos, importações e estudos de soluções solares à medida.

Qual é a sua opinião sobre o estado atual do setor fotovoltaico?
Sergio Layunta (SL): A energia solar é um setor que depende de vários fatores e pode sofrer alterações rapidamente. Um deles é a geopolítica, que pode ter um impacto significativo no mercado. Tivemos problemas de abastecimento e um aumento de preços no ano passado, que afetou a indústria em geral; um aumento de preços que surpreendeu toda a gente e, embora pensássemos que as instalações solares fotovoltaicas continuariam a crescer como nos anos anteriores, este ano assistimos a uma diminuição das vendas em geral.

Quais os principais fatores que influenciaram este declínio?
(SL): No ano passado, vivemos situações inesperadas. Os conflitos bélicos aumentaram os preços da eletricidade e também dificultaram o fornecimento de componentes. Além disso, os subsídios à produção de energia renovável na Europa incentivaram as instalações fotovoltaicas. Este ano, registaram-se mudanças notáveis, com os preços da energia a descerem relativamente ao período anterior ao conflito, embora não ao mesmo nível. Além disso, as expetativas em matéria de subvenções à produção de eletricidade não foram, por
vezes, plenamente satisfeitas, uma vez que os pagamentos são frequentemente atrasados e os fundos são rapidamente esgotados. Os pagamentos do Next Generation têm de ser acelerados, porque o custo é, em última análise, suportado pelo cliente ou pelo instalador. Esta situação provoca uma deceção nos utilizadores, que esperavam beneficiar destes subsídios. Verificou-se também um aumento das taxas de juro, o que afetou as instalações que dependem fortemente do financiamento.

Fale-nos das principais caraterísticas dos inversores solares.
(SL): Procurámos um aspeto que se ajuste a todas as paredes e preferências, pois a cor é muito neutra e adapta-se a qualquer instalação. Toda a gama inclui um ecrã OLED, de leitura clara, que nos fornece todos os dados da instalação, sem necessidade de consultar um smartphone ou uma página Internet. Os nossos instaladores apreciam particularmente este facto e temos a filosofia de pensar neles. Outra vantagem de ter um ecrã incorporado é a possibilidade de testar o produto. Numa primeira utilização, ao fornecer-lhe corrente contínua, é possível verificar as tensões em cada entrada, em cada cadeia, em cada MPPT. Isto proporciona tranquilidade, tanto para o cliente final, como para o instalador, ao garantir que tudo está correto, antes de iniciar a parte da corrente alternada. Além disso, os nossos inversores de ligação à rede podem arrancar com tensões muito baixas, entre 80 e 100 volts, consoante o modelo. Isto permite-nos tirar partido de mais horas de sol ao longo do dia, o que se traduz numa maior produção de energia. Outra diferença importante é o nosso próprio serviço técnico Salicru, que nos permite atender diretamente os nossos clientes. Isto é muito valorizado no setor, pois alguns precisam de mais ajuda do que outros, devido ao rápido crescimento da indústria. Mudar de marca pode ser um desafio, por isso é essencial ter um serviço de apoio ao cliente que possa resolver todas as dúvidas. Pré-venda e pós venda…

(SL): O nosso departamento de Serviços é um dos departamentos que mais cresceu nos últimos anos, juntamente com o de Conectividade. Como temos mais instalações em funcionamento, precisamos de mais pessoal para oferecer o mesmo nível de serviço. Existe uma área dedicada aos inversores solares, onde os clientes podem solicitar serviços como a colocação em funcionamento de forma acompanhada. Demos também um passo em frente e lançaremos em breve uma aplicação que permitirá aos clientes comunicar diretamente connosco através da realidade virtual. Será algo muito original e novo no mercado, que nos permitirá prestar um serviço mais personalizado e eficiente. Enquanto empresa familiar que se transformou numa PME e, posteriormente, numa grande empresa, temos origens claras: envolvermo-nos com os nossos clientes, para que o produto corresponda às suas expetativas e valorizar o feedback que recebemos deles.

Fale-nos da diferença entre os sistemas on-grid e os sistemas híbridos.
(SL): Os dispositivos on grid são inversores de ligação à rede que não criam a sua própria rede independente, mas funcionam em simultâneo com a rede elétrica local. Quando há uma falha de energia ou de rede, estes inversores de ligação à rede deixam de gerar energia, uma vez que estão completamente dependentes da rede para funcionar. São aquilo a que podemos chamar geradores diretos. Os híbridos, por seu lado, têm a capacidade de combinar várias fontes de energia, como a rede, a bateria e a energia solar fotovoltaica. A principal diferença é que os inversores híbridos podem gerir baterias e criar a sua própria rede. Os nossos inversores híbridos podem funcionar tanto em instalações ligadas à rede, como fora da rede. A capacidade de criar a sua própria rede independente é uma caraterística fundamental dos híbridos Equinox. Além disso, têm frequentemente um backup incorporado que garante o fornecimento de energia em caso de falha da rede. Esta saída de carga crítica é completamente independente e o inversor efetua a comutação interna necessária, para garantir que não é fornecida energia à rede durante uma falha. No caso dos nossos inversores, para além da reserva integrada, esta pode ser de 100% de saída da mesma potência nominal do inversor (reserva total).

De que forma os inversores se adaptam aos diferentes tipos de instalações solares?
(SL): Fomos muito ambiciosos na nossa gama de produtos, o que permite adaptarmo-nos a uma grande variedade de instalações solares. Temos pequenos inversores com uma capacidade de 2 quilowatts até inversores com 100 quilowatts. Isto significa que dispomos de uma gama muito ampla de produtos que se adaptam a qualquer tipo de instalação e aplicação, seja ela residencial, comercial ou industrial – ou parques fotovoltaicos até 5 MW. Há algumas semanas, instalámos 160 inversores em Cartagena, numa central solar de 2 MW.

Existem mais projetos em que foram utilizados inversores solares Salicru?
(SL): Os nossos inversores solares desempenharam um papel fundamental em explorações agrícolas que tinham problemas de harmónicos na sua rede elétrica. Graças ao gestor energético Energy Manager, um produto recente no mercado, conseguimos resolvê-los, gerindo a energia reativa e evitando encargos adicionais. Uma empresa vidreira, em Almeria, decidiu substituir os inversores de um concorrente – uma grande marca internacional – e multiplicar a sua produção. Atualmente, produz 1MW de energia para si própria com o nosso equipamento.

Outra empresa, esta de impressão, com os seus telhados, atinge uma instalação de 0,5MW. E todos os dados energéticos podem ser visualizados numa aplicação?
(SL): Temos a nossa própria aplicação, chamada Equinox, que é muito importante para nós: o nosso departamento de desenvolvimento de software trabalha na conectividade de todos os nossos equipamentos, com especial incidência nos inversores solares. As pessoas querem ver a quantidade de energia que geram, quanto poupam e com quanta energia alimentam a rede. De facto, há clientes que passam mais de uma hora por dia a olhar para a aplicação. Pelo menos durante os primeiros meses. Assim, a aplicação permite visualizar a instalação e obter dados pormenorizados. E lançámos também uma nova versão Internet, que permite aos utilizadores profissionais visualizar gráficos detalhados da instalação, incluindo temperaturas, tensões, correntes, alarmes, etc., para oferecer um serviço mais profissional aos clientes finais. Ao contrário de outras marcas, gostamos de ter o controlo dos dados dos nossos clientes e garantimos que estes dados não saem do território, respeitando as normas de privacidade.

Para concluir, vão continuar a existir “nuvens” num futuro próximo?
(SL): (risos) Não, sempre com otimismo! O setor fotovoltaico mantém uma perspetiva de crescimento elevada para o futuro imediato, mas também a médio prazo. E esperamos uma normalização, após algumas incertezas económicas e jurídicas, até mesmo um possível boom no setor, que está em constante evolução.